Monday, April 21, 2014

HEI, TU QUE ESPERAVAS OS MUTANTES NO KALEIDOSCOPIO

Isso mesmo, aqui se cumpre o que se promete, mesmo que demore um pouco... Confiram agora mesmo os Mutantes progressivos numa versão mais completa conforme anunciado em mensagem abaixo.

Tuesday, February 18, 2014

"OU NÃO"? "SIM" - E EU DIGO SIIIIIM!

Muita gente já deve saber - ou está sabendo agora - que sou um dos colaboradores do livro 1973 - O Ano Que Reinventou A MPB, lançado agora em janeiro pela Editora Sonora e que reúne resenhas de mais de 50 álbuns importantes lançados naquele ano. Escrevi sobre Ou Não de Walter Franco, "o disco da mosca", e mencionei uma canção de Walter inédita em discos e que conheci de uma gravação de um programa do grande Jacques Kaleidoscópio, de 1977.

Por volta de 1986 tive a grande sorte de "herdar" uma coleção de fitas cassete de uma pessoa que gravava todos esses programas - Kaleidoscópio, Papo Pop, Performance Pop - , adquirindo-as no Sebo do Messias, aqui em Sampa, pelo equivalente de hoje a um real cada... Depois eu soube por um amigo que essa pessoa havia falecido num acidente de carro e pelo menos estas fitas de seu acervo foram vendidas naquele sebo. O rapaz era realmente diligente e caprichoso, e aqui vai a capinha da fita de onde tirei "Sim" de Walter Franco:

As anotações a caneta foram feitas por mim. Não, não tenho (ao menos por enquanto...) a Fita 146... Mas já digitalizei boa parte das fitas que tenho, e "Sim" pode ser ouvida aqui.

Sunday, January 19, 2014

ATÉ TU, BARÃO

Um de meus heróis é o humorista Barão de Itararé, "al secolo" o gaúcho Apparício Fernando de Brinkerhoff Torelly (1895/1971), que no começo da carreira usou também a alcunha de Apporelly. Meu primeiro contato com sua obra foi na bela matéria "O Único Barão Da República", publicada na revista Realidade na virada dos anos 1960 para 1970; foi lá que conheci frases lapidares como "Os calos são produzidos por sapatos de qualquer cor" e "O que se leva desta vida é a vida que a gente leva", além de seu famosa prova oral onde o mestre perguntou "quantos rins nós temos?" e ele respondeu "quatro, o professor dois e eu dois". Mais tarde conheci outras suas frases, como "As duas cobras que estão no anel do médico significam que o médico cobra duas vezes, isto é, se cura, cobra, e se mata, cobra" e "O voto deve ser rigorosamente secreto. Só assim, afinal, o eleitor não terá vergonha de votar no seu candidato", além de seu lado libertário e combativo contra a censura e prepotência dos anos 1920 a 1970. Por exemplo, sobre a disputa pela Presidência entre Jânio Quadros e o Marechal Lott, ele mandou "É preciso enquadrar o Lott e lotear o Jânio". 

O Barão é o tipo de humorista conhecido até por quem nunca ouviu falar, e seu humor influencia até hoje; basta lembrar que sua frase "Mulher, cachaça e bolacha em qualquer canto se acha" foi adaptada por Adoniran Barbosa e Oswaldo Molles no samba "Mulher, Patrão e Cachaça", derradeira parceria de ambos.

  
Apporelly já tem pelo menos três biografias, as duas curtinhas Barão de Itararé - O Humorista Da Democracia de Leandro Konder (editora Brasiliense, 2003) e Barão de Itararé - Herói De Três Séculos por Mouzar Benedito (editora Expressão Popular, 2007) e o calhamaço Entre Sem Bater por Claudio Figueiredo (Editora Casa da Palavra, 2012). Até onde sei, nenhum desses belos livros sobre o Barão de Itararé menciona um disco 78 RPM com um de seus textos, "Martírio Violento", lançado em 1929 pelo cantor e humorista carioca Mirandella (Boabdil Miranda Varejão, 1887/1947) e que consegui resgatar com selo e tudo (embora eu prometa uma digitalização melhor para quando eu puder).






Saturday, January 18, 2014

SECOS, MOLHADOS E BEM CONSERVADOS

Em maio de 2013 produzi para o programa Rádio Matraca um mini-especial em homenagem aos 40 anos da gravação (em maio e junho) e lançamento (em agosto) do álbum de estreia da banda Secos & Molhados, primeiro megafenômeno pós-jovem guarda do rock brasileiro. Os dois discos da banda gravados com sua formação clássica, João Ricardo, Ney Matogrosso e Gerson Conrad, não só venderam bem, mas se tornaram clássicos do rock nacional. Basta lembrarmos regravações de sucesso feitas bem depois do estouro da banda, como “Flores Astrais” com o RPM e “Fala” com Ritchie. E neste mini-especial lembramos algumas das muitas regravações de canções dos Secos & Molhados, incluindo uma ou outra bastante inusitada, “bem Rádio Matraca”, e algumas gravações instrumentais que desmentem a noção de que a música dos Secos & Molhados não se sustenta sem as letras e poemas que eles musicavam.

Sim, neste programa incluímos regravações as mais diversas, da época ou mais recentes, de ambos os álbuns da banda, inclusive desmentindo pessoas menos atentas, opiniões à parte, que foram logo dizendo que o segundo álbum "não tinha nada legal". Certamente, não foi tão impactante ou marcante quanto o primeiro, mas bons momentos não lhe faltam, como prova esta nossa seleção de regravações - por sinal, agora em 2014 é a vez do segundão comemorar 40 anos.





Embora, salvo engano, a primeira canção do segundo álbum do Secos a virar vídeo-clipe tenha sido "Tercer Mundo" (ao qual me lembro de ter assistido no Fantástico), foi "Flores Astrais" a escolhida para repetir o sucesso de "Sangue Latino" ou "O Vira". Lançada em compacto promocional para as rádios (com "Voo" do outro lado), a canção não se tornou megahit, mas agradou a ponto de ganhar arranjo em samba, como podemos ver em cima  e ouvir abaixo.



Nesta seleção de covers incluímos outras gravações em roupagens bem diferentes das originais, como o muzak latino de Los Tropicanos, o forró da Banda Catarino, o reggae da Cidade Negra e a canção camerística do violonista Sérgio Zurawaki e seu Zurawski Ensemble. Temos ainda curiosidades como Os Motokas, grupo de estúdio com Lilian Knapp e o futuro Roupa Nova.

Los Tropicanos – “Sangue Latino” (João Ricardo/João Apolinário), gravação de 1973

Banda Catarino - “O Vira” (João Ricardo/Luhli), gravação de 1973
Patricia Ahmaral – “Mulher Barriguda” (João Ricardo/Solano Trindade), ao vivo em 2007
Agora É Samba – “Flores Astrais” (João Ricardo/João Apolinário), gravação de 1974
Os Motokas - “Amor” (João Ricardo/João Apolinário), gravação de 1973
Móbile – Delírio (Gerson Conrad/Paulinho Mendonça), gravação de 1974
Luhli e Lucina – “Fala” (Luhli/João Ricardo), gravação de 1991
Cidade Negra – “Primavera Nos Dentes” (João Ricardo/João Apolinário), gravação de 2007
Banda Alunte – “Assim Assado”  (João Ricardo), ao vivo
Akundun – “Rosa de Hiroshima” (Gerson Conrad/Vinicius de Moraes), gravação de 2000
Banda El-Rey – “O Patrão Nosso De Cada Dia”  (João Ricardo), ao vivo em 2011
Zurawski Ensemble – “Medo Mulato” (João Ricardo/Paulinho Mendonça), gravação de 2011
Nem Secos Nem Molhados – “Toada & Rock & Mambo & Tango & Etc.” (João Ricardo/Luhli), ao vivo em 2009
Tianastácia – “Prece Cósmica” (João Ricardo/Cassiano Ricardo), gravação de 2011
Os Caretas – “Que Fim Levaram Todas As Flores” (João Ricardo), gravação de 1978

Pode-se ouvir aqui o programa e baixar aqui as gravações. E, além deste blog, outra boa sugestão para leitura de fundo é o livro 1973 - O Ano Que Reinventou A MPB, que está sendo lançado pela editora Sonoras e inclui dezenas de autores, cada um escrevendo sobre um álbum importante lançado nesse ano - é claro que o primeiro do Secos não poderia faltar (e participei escrevendo sobre outro álbum, procurem o livro para saberem qual, rerrerre).

Saturday, January 04, 2014

UM 13 QUE DEU SORTE - PARTE 3 - LIVROS

Nesta minha retrospectiva de 2013 lembrarei que deu tempo para pessoas fãs de Adoniran Barbosa se fantasiarem de Papai (ou, conforme o caso, Mamãe) Noel e presentearem gente amigas ou a si próprias com a segunda edição, totalmente revisada e atualizada, de meu livro Adoniran: Dá Licença De Contar (Editora 34), lançado originalmente em 2002. O livro já deve estar em todas as livrarias, ou pode ser conseguido na própria editora em vendas@editora34.com.br .


E um belo projeto de que participei e quase saiu em 2013 mas ficou para janeiro é 1973: O Ano Que Reinventou A MPB (editora Sonora), resenhando dezenas de discos que fizeram desse ano um dos mais importantes, não só de MPB mas também de rock brasileiro, cada um analisado por uma pessoa; adquira o livro para descobrir sobre qual disco escrevi e leia também sobre álbuns analisados por Marcelo Fróes, Tavito, Rildo Hora, Silvio Essinger, Regina Zappa e outras personalidades da música e/ou imprensa.
E em 2013 fiz contatos e recontatos com editoras novas e antigas para lançamentos e relançamentos de livros meus em 2014 ou 2015, aguardem!

UM 13 QUE DEU SORTE - PARTE 2 - COMPOSIÇÕES E NOVAS PARCERIAS

Nesta minha retrospectiva pessoal de 2013 lembrarei que continuo seguindo o exemplo de Chrissie Hynde, a quem perguntaram de repente "o quê você compôs hoje?", ela "nada, ora essa, por quê?" e a tréplica foi "no teu passaporte diz 'profissão: compositora'..." Pois bem, sendo eu compositor literalmente de carteirinha (filiado à AMAR), tenho justificado o posto e a vocação compondo dezenas de canções por ano. (Sim, Franz Schubert também é um bom exemplo.) Muitas eu tenho lançado em páginas da internet como as minhas no Facebook e no Soundcloud.

Um dos destaques foi minha marchinha "Japonesa Corintiana", com a qual concorri no primeiro Festival Canto Por Ti, Corinthians, promovido pelo time no segundo semestre de 2013, e cuja demo pode ser ouvida neste fiel atalhoNão cheguei à final, mas fui premiado em outro certame, promovido pelo grupo Psicodelia Brasileira do Facebook, com uma composição antiga, "Metamophose", homenagem ao grupo alagoano Mopho, lançada em 2000 e que pode ser ouvida aqui

Posso até me gabar de ter tido em 2013 uma composição lançada internacionalmente, no blog de Alt Rock Chick, roqueira estadunidense radicada na França e cujo blog merece ser lido por fãs de música sem preconceitos. A canção é nada menos que minha homenagem em inglês à beterraba, "The Beet Song", cuja melodia e letra, bem como a bela resenha de Alt Rock Chick (sim, ela só se mostra sob este pseudônimo) podem ser conferida no blog dela.

Vale também lembrar "Larga Noche", melodia que compus em 1980 e para a qual tentei nestas décadas compor letras em português e inglês, mas de repente em 2013 tive um clique e compus esta letra em espanhol, belamente interpretada por Daniel e Lu, emérita dupla caiubista cuja interpretação pode ser ouvida aqui. Aviso: trata-se de uma canção séria, lado meu que raramente mostro mas resolvi mostrar com um pouco mais de frequência. É o caso de duas canções com que inaugurei novas parcerias em 2013, melodias que compus para as letras "Maria, Mulher, Menina E Mãe" da mineira Kakal Chaves (aguardem uma canção/tese minha sobre a Rua Qualquer Coisa, que talvez se torne ainda mais ilustre que a Rua Ramalhete) e "Faixa Etária" (lançada  mundialmente aqui!), originalmente um poema do belo livro Poemia de Jean Garfunkel (com quem já tenho outras canções a caminho). Outras pessoas amigas e novas parceiras cujos resultados divulgarei oportunamente incluem Adauto Suannes, Luhli, Marta Lima e Nando Távora.

Ah, sim: nada como começar e terminar uma mensagem citando grandes roqueiras. Além de Chrissie Hynde, temos Lucinha Turnbull, por sinal outra não-inglesa que morou em Londres e em São Paulo... "Pra Lucinha", primeira parceria minha com Luiz Octavio (sim, o lendário líder dos Quatro Olho e Spectors), diz tudo no título, e esta gravação demo é o primeiro resultado dos Spectacles, grupo que formei em 2013 com ele, Luiz Francisco Albano e Trinkão (pois é, fechei o círculo e nos Spectacles voltei a tocar guitarra, como fiz lá nos anos 1980 em grupos como British Beat, Verminose e Galileu).

UM 13 QUE DEU SORTE - PARTE 1 - DISCOS

É isso mesmo, 2013 foi um ano tão produtivo que só consegui parar para fazer uma retrospectiva depois que ele terminou - sem falar em projetos que iniciei nesse ano e pretendo concluir agora em 2014.

Febre, turbulência, vitória e espetáculo? Tem, sim, senhor!

Para começar, participei de quatro CDs (todos independentes) previstos para sair em 2013 - e que saíram, e que merecem ser detalhados um a um.

O mais monumental é Circo Nerino, produzido pelo Centro de Memória do Circo e que resgata lindamente canções e histórias da trupe circense desse nome, a partir do arquivo, memória e boa forma vocal (aos 90 anos de idade!) do músico e palhaço Roger Avanzi; participei na pesquisa de repertório (muitas das autorias e até títulos de canções dos espetáculos do Circo Nerino haviam perdido-se no tempo) e até como vocalista em algumas faixas. Uma das muitas curiosidades (além de gravações dos anos 1950 ao presente, muitas especiais para este disco, tendo direção musical de Otávio Ortega) é Karina Buhr interpretando "Macô", sim, aquela de Chico Science & Nação Zumbi, cujo refrão, "cadê Roger", refere-se a um amigo da turma de Chico que tem esse nome em homenagem a Roger Avanzi. O CD Circo Nerino é distribuído pela Tratore.


Não menos emocionante é Febril, primeiro disco da cantora, compositora, jornalista e emérita batalhadora Lúcia Helena Corrêa, onde ela, também ilustre integrante do Clube Caiubi de Compositores, reuniu caiubistas de todas as funções: não só pessoas compositores, mas também musicistas. Em quase todas as faixas (num total de 19 - aniquilar o limite de 14 preguiçosamente imposto pelas grandes gravadoras é um dos tantos méritos deste disco) o acompanhamento é d'A Banda de Tato Fischer, formada pelo próprio aos teclados, Bráu Mendonça no violão e guitarra, Bruno Sotil na bateria e percussão e este que vos tecla ao contrabaixo. Lúcia reuniu samba, blues, foxtrote, bolero e muito mais. Os compositores incluem Marcio Policastro, Léo Nogueira, Nando Távora, Sonekka, Vlado Lima e Fernando Cavalieri. Adquira o seu exemplar com a própria cantora, em luciahelenacorrea49@gmail.com



O mais roqueiro destes discos foi também o que deu mais susto, por pouco não deixou para sair em 2014: Turbulência!, do guitarrista e compositor Marcos Mamuth, e que inclui participações da guitarrista Marlene Souza Lima, o já mencionado e sempre bem lembrado Tato Fischer e este que vos escreve ao contrabaixo em duas faixas, uma composta em parceria com Mamuth, "O Caminho Do Meio" - "nossa primeira e única parceria por enquanto", parafraseando Caetano e Gil quando lançaram "Vai Levando". Defino o som de Marcos Mamuth como "o America num canal e o Black Sabbath no outro"; quem quiser entender isso deve procurar o disco, adquirível com o próprio Mamuth via Facebook (marcos.mamuth).



E o quarteto se completa com o CD mais indicado para os fãs mais rábidos que eu acaso tiver: Vitória!!!, novo disco do compositor, cantor e produtor Soul Demetrio, com repertório dividido entre eu e ele: 7 composições dele, outras tantas minhas e uma nossa. Além de trazer composições novas como "Criança", "Never", "Mil Violinos Tocam" e "Dance Queen", Demetrio escolheu quase-sucessos meus como "Marcinha Ligou" (parceria com Laert Sarrumor e cantada neste disco em dueto com Kid Vinil) e "Samba Funerário" (composta com o sempre bem lembrado ilustre letrista caiubista Léo Nogueira), além de novidades como o samba-rock "Quero Ser O Teu Affair" e o foxtrote "My Favourite Compère" (arrasadoramente cantado pela cantora convidada  Bee Scott, com quem sempre sonhei gravar desde quando a conheci nos anos 1990). Ah, sim: a banda neste disco fui eu, com a participação de Nuno Mindelis na guitarra-solo em duas faixas. E o CD esta disponível em distribuidoras como a Universal.

E também tive minha "Isto É Samba", conforme gravada pelo emérito saxofonista Jovaldo Guimarães, incluída numa coletânea virtual do Clube Caiubi de Compositores: O Samba Novo Que Vem Do Brasil, Volume 2 .

Sunday, November 17, 2013

ALT ROCK É CHIQUE

Acabo de ter a honra de uma canção minha lançada mundialmente na famosa página da Alt Rock Chick - se ainda não é famosa, merece ser.

Alt Rock Chick (que oculta seu verdadeiro nome para evitar problemas no trabalho) é uma dama recém-entrada na casa dos 30 (nascida nos EUA e atualmente morando na França), que ama música e brilha com resenhas imparciais e bem fundamentadas; mesmo quem discordar de suas opiniões há de convir em que suas declarações fazem sentido... E ela sabe ouvir e respeitar opiniões diferentes (e até opostas) às dela.

Recentemente ela declarou que uma de suas comidas prediletas é beterraba, fazendo uma analogia interessante: do mesmo modo que ela ama beterraba e muita gente não, ela também não gosta de muitos artistas "intocáveis", como Bruce Springsteen, The Band e Elton John após 1972. Eu disse a ela que também adoro beterraba a ponto de ter pensado em escrever uma canção a respeito; ela respondeu dizendo que se eu compusesse a canção ela a resenharia. Pois bem, compus "The Beet Song" e ela escreveu a crítica - aqui vai ela, incluindo a letra e um arquivo de áudio de minha demo. A resenha é uma das mais inteligentes e perceptivas jamais feitas sobre minha obra - sinto-me honrado, como já afirmei e agora repito. E recomendo entusiasticamente que vocês, além de conferirem a análise e opinião de Alt Rock Chick sobre minha "The Beet Song", passeiem por toda sua página, típico exemplo de vício que não faz mal (e até faz bem) - tal qual beterraba...

http://altrockchick.com/2013/11/16/music-review-the-beet-song-by-ayrton-mugnaini-jr/

Tuesday, November 12, 2013

ALTA FIDELIDADE MESMO: O PRIMEIRO FESTIVAL CANTO POR TI, CORINTHIANS

Das quase 2 mil canções inscritas no primeiro festival Canto Por Ti, Corinthians (a se realizar nos dias 21 a 23 de novembro no Teatro Corinthians, na região do Tatuapé), foram escolhidas 26 para as eliminatórias - e este que vos tecla pode se gabar de uma delas ser dele. Sim, minha marchinha "Japonesa Corintiana" participará na primeira eliminatória, no dia 21, e, espero, estará também na final. O público também pode votar, bastando acessar a página do Festival (embora com a restrição de um voto por computador).

Inclusive, fiquei tão empolgado em compor para o Corinthians que, após compor a quantidade máxima de três canções por inscrição, já compus um total de oito canções dedicadas ao time, e espero dobrar essa quantidade para um CD totalmente corintiano. Aqui vai, como amostra, uma demo de uma delas, "Matahah (Canção Judaica Corintiana)", que é exatamente isso, em homenagem aos factos de o Corinthians ter nascido no bairro do Bom Retiro e de quase todas as pessoas judaicas residentes em São Paulo serem corintianas.